Image
Histórias de desenraizamento na exposição "Lost Lover", no Porto
Joana Loureiro

A exposição inaugural da associação cultural Rampa, com vídeos de artistas de origem africana, convoca a ligação complexa de Portugal com as antigas colónias. Lost Lover pode ser vista até ao dia 16, no Pátio do Bolhão, no Porto

June 11, 2019
Grada Kiloma, Illusions Vol II Oedipus
Visão 06/2019; 02
Grada Kilomba: Illusions Vol II: Oedipus.
Visão 06/2019, 01

A folha de sala, em letras garrafais azuis, reproduz a simplicidade gráfica de cartazes afixados pelas ruas de Joanesburgo em busca de um amor perdido, com as palavras “Lost Lover”. Foi neles que se inspirou Lara Koseff ao conceber um programa de vídeo que “explora esta alegoria de desejo, de uma nova realidade, seja romântica, política ou social”, explica a curadora sul-africana. A recém-criada associação cultural (sem fins lucrativos) Rampa inaugura assim o seu espaço expositivo, num velho armazém de paredes cruas, à semelhança de outras “galerias” alternativas que sempre existiram no Porto.

“Muitos dos associados vivem no estrangeiro e houve o desejo de reunir e integrar as redes que todos temos em áreas complementares”, conta Nuno de Campos, da direção. A Rampa está recetiva a propostas de vários quadrantes – design, performance, artes visuais, arquitetura... –, com destaque para propostas fora do circuito comercial, como esta série de onze vídeos apresentada no Rio de Janeiro, em 2018, numa zona marcada, em tempos, pelo tráfico de escravos e, atualmente, a sofrer um brutal processo de gentrificação. Também o Porto vive transformações profundas e, embora o contexto seja diferente, não deixa de ser simbólico, até pelo papel central de Portugal no tráfico de escravos pelo Atlântico.


Entre os artistas representados, estão os consagrados sul-africanos Athi-Patra Ruga e William Kentridge, mas também Dan Halter, Jonah Sack, Lunga Ntila, Lungiswa Gqunta, Malebona Maphutse, Simnikiwe Buhlungu, da nova vanguarda de Joanesburgo, além da dupla Ghada Amer (Egito) e Reza Farkhondeh (Irão) e dos norte- -americanos Nkiruka Oparah e Thenjiwe Niki Nkosi. Numa sala à parte, a instalação Illusions Vol. II, Oedipus, revisitação da mitologia grega a partir das tradições orais africanas, concebida pela portuguesa Grada Kilomba, é uma extensão do programa original.

Image
Image
Image

Pátio do Bolhão 125

4000-110 Porto, Portugal


rampacultura@gmail.com